Our Mission Statement
This is Photoshop's version of Loremer Ipsn gravida nibh vel velit auctoregorie sam alquet.Aenean sollicitudin, lorem quis bibendum auci elit consequat ipsutis sem nibh id elit.
Follow Us
Siga-nos:
Marketing Digital – Web Bizz
116
archive,category,category-marketing-digital,category-116,mkd-core-1.0.3,highrise child-child-ver-1.0.0,highrise-ver-1.5,,mkd-smooth-page-transitions,mkd-ajax,mkd-grid-1300,mkd-blog-installed,mkd-header-standard,mkd-sticky-header-on-scroll-down-up,mkd-default-mobile-header,mkd-sticky-up-mobile-header,mkd-dropdown-slide-from-bottom,mkd-dark-header,mkd-header-style-on-scroll,mkd-header-standard-in-grid-shadow-disable,mkd-search-dropdown,mkd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Marketing Digital

Usar o marketing digital para aumentar vendas de sua empresa é sem dúvidas uma estratégia fundamental nos dias de hoje e, certamente, isso já é de seu conhecimento! No entanto, na prática, isso pode englobar uma série de ações e campanhas, que nem sempre o gestor sabe como e por onde começar, o que pode acarretar baixos resultados e, até mesmo, em investimentos sem retornos satisfatórios. Por isso, se você quer realmente investir em estratégias de marketing digital e, consequentemente, aumentar as suas vendas, não deixe de conferir a leitura até o final e saiba quais passos seguir. Vamos conferir? [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] 1. Inbound Marketing Quando se fala em estratégias de marketing digital para aumentar vendas, inevitavelmente é preciso destacar o Inbound Marketing. Isso porque, trata-se de um conjunto de ações indispensáveis aplicadas ao ambiente digital e que tem como foco as dores e desejos do seu cliente. Em outras palavras, enquanto o tradicional Marketing Outbound visa basicamente vender seus produtos ao consumidor final, o Inbound tem por objetivo atrair, conhecer e trabalhar cada perfil potencial de consumo por meio de inúmeras estratégias e ferramentas, para aí sim, direcionar suas vendas de forma mais assertiva e eficiente. 2. Marketing de Conteúdo Entre as principais estratégias de marketing digital para aumentar vendas, também é válido destacar o papel do Marketing de Conteúdo hoje em dia. Afinal, o consumo de conteúdos online é cada vez maior no mundo inteiro e se a sua empresa consegue o devido destaque nas buscas e disponibiliza informações relevantes ao que o leitor procura, tenha certeza de isso será convertido em vendas também. 3. E-mail Marketing Essa estratégia é amplamente utilizada pelas...

Desde que a Internet chegou à Era 4.0, estar presente – e competitivo – no ambiente digital se tornou fator crucial para a existência de qualquer negócio. Não é à toa que, entre as inúmeras estratégias investidas hoje, o Marketing de Conteúdo é uma daquelas que mais se destacam nesse cenário e que, de fato, possibilitam as empresas expandirem seu posicionamento no meio virtual. E se você já tem ciência sobre o potencial do Marketing de Conteúdo, mas ainda não se decidiu por onde e como implementá-lo em sua empresa, nós separamos algumas dicas fundamentais e, claro, alguns bons motivos para começar essa estratégia agora. Sendo assim, sem perder mais tempo, vamos direto ao ponto. Boa leitura! [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] Afinal, o que é o Marketing de Conteúdo e por que é tão importante para as empresas? O Marketing de Conteúdo é apenas uma das infinitas estratégias de Inbound Marketing, que visa basicamente criar, manter e distribuir conteúdos relevantes em seus canais digitais, no intuito de atrair, informar, converter, fidelizar e vender. No entanto, para que tudo isso faça sentido e se torne realmente eficiente na prática, é fundamental que as empresas consigam definir e direcionar suas estratégias conforme suas necessidades. Caso contrário, o Marketing de Conteúdo se torna simplesmente “Conteúdo” e, consequentemente, sem agregar os resultados esperados. E sem dúvidas, este ainda é o principal erro cometido pelos gestores, em especial, os que insistem em estratégias generalistas, rasas e sem o devido direcionamento à persona correta. Quais são os bons motivos para investir em Marketing de Conteúdo? Quando bem definida e implementada, uma boa campanha de Marketing de Conteúdo para empresas...

Quem atua com vendas B2B, certamente notou as recentes mudanças nos hábitos e no perfil de consumo nesse mercado ao longo dos últimos meses durante a pandemia. Afinal, muito do que já era tendência nesse meio, simplesmente se acelerou e tornou realidade aquilo que, talvez, demorasse mais alguns anos para vivenciarmos na prática. E em um cenário cada vez mais dinâmico e ainda repleto de incertezas, nos resta apenas buscar entender esse panorama atual e colocar a seguinte questão em aberto: afinal, quais tendências para vendas B2B realmente vieram para ficar e o que se pode esperar daqui para frente? Para isso, fomos buscar dicas e dados no mais recente relatório Cenário de Vendas B2B do Linkedin Sales Solutions (Junho 2021). Vamos conferir? [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] O que mudou no cenário de vendas B2B durante a pandemia? Ainda que muitas incertezas e dúvidas pairem sobre o futuro da atual pandemia de Covid-19 no Brasil e no mundo, os últimos meses foram suficientes para moldar um novo panorama de vendas B2B, que certamente demoraria mais um pouco para se estabelecer em tempos normais. Hoje, a atuação das empresas no ambiente virtual e a criação de novas soluções para atender às novas demandas desse público (cada vez mais online), podem ser destacadas como uma das principais mudanças atuais e, em certa parte, como uma corrida pela sobrevivência de muitos negócios. Para se ter uma ideia melhor, de acordo com dados de uma pesquisa do Instituto Qualibest, o consumo online do brasileiro cresceu 61% desde o início da pandemia, número este que, a princípio, parece soar como positivo para as vendas, porém também acompanhados...

Entre as diversas estratégias de marketing B2B, o uso eficiente de e-mails de vendas pode ser uma excelente ferramenta de conversão de leads para as empresas. No entanto, para que estas mensagens tenham realmente um efeito positivo e, principalmente, não se tornem algo indesejado ou mesmo inconveniente para o consumidor, é fundamental trabalhar com planejamento, direcionamento e uma abordagem adequada, que atenda as necessidades e desejos de quem deve abrir esses e-mails. E é justamente sobre estes pontos estratégicos que vamos debater ao longo do texto, mostrando qual o melhor formato de e-mails de vendas para clientes B2B em sua empresa. Vamos conferir? [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] Quais estratégias mais usadas em e-mail marketing B2B? Assim como em outras estratégias de marketing B2B, uma campanha de e-mails de vendas precisa ser personalizada. Logo, nunca espere um modelo padrão, como uma “receita pronta” que deu certo para determinada empresa, achando que isso funcionará exatamente igual em seu negócio. Como bem destacamos no início, o e-mail marketing para clientes B2B deve levar em consideração as dores e desejos do consumidor, para aí sim, se definir os melhores formatos, abordagens e direcionamentos dessas mensagens. Sabendo disso, de uma forma geral, os e-mails de venda e conversão leads para clientes B2B podem trabalhar diferentes estratégias, tais como: Newsletter Entre os diferentes formatos de e-mails de venda para clientes B2B, as tradicionais newsletters são uma estratégia amplamente usada pelas empresas e com ótimos retornos, desde que sejam bem elaboradas. Na prática, uma newsletter visa captar – de forma frequente e contínua – dados e contatos de possíveis leads e manter a comunicação com essas pessoas periodicamente, seja com conteúdos, dicas,...

O data-driven marketing é uma nova tendência e tem ganhado força no mercado por possibilitar a tomada de decisões baseada em dados. Assim, ao invés de estruturar a estratégia com suposições, utilizam-se indicadores e estatísticas que conseguem encontrar padrões e fazer previsões. Dessa forma, é possível ter mais resultados com as campanhas de marketing e aumentar as conversões e vendas. Se você quer saber mais sobre data-driven marketing e aprender a aplicá-lo no segmento industrial e B2B, continue lendo e confira. [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] O que é data-driven marketing? O termo não diz respeito apenas a uma estratégia que utiliza dados para basear as decisões, mas a uma cultura. Apenas por meio da mudança empresarial, da valorização das informações e do investimento em tecnologias, é possível promover reais mudanças. Ademais, o uso de dados para basear as decisões não precisa ocorrer apenas no setor de marketing, mas deve ser utilizado para auxiliar toda a gestão, assim como o setor de vendas. Dessa forma, podemos falar que as empresas que aplicam o data-driven marketing são aquelas que fazem o planejamento, execução e gerenciamento de todas as suas decisões baseadas em informações reais. Assim, é possível fornecer para cada cliente uma experiência única, baseada realmente nas suas preferências e gostos, aumentando as suas chances de fazer uma compra e se fidelizar. Apesar de tudo isso parecer uma operação apenas para grandes negócios, não é. Com as ferramentas corretas, é possível ter, de forma acessível, tecnologias como Big Data, Inteligência Artificial, Machine Learning e análise computacional. Por que o segmento industrial e B2B devem investir em data-driven marketing? O data-driven marketing ainda é um tanto recente no Brasil, mas...

Existem muitas siglas do marketing digital que podem confundir quem está começando a investir nessa estratégia. Muitos desses termos são usados para designar indicadores de desempenho fundamentais para mensurar os resultados, ou apenas KPIs. Por meio deles, é possível gerar insights e melhorar o planejamento das suas campanhas pagas. Nesse post vamos explicar as principais siglas do marketing digital e o que elas significam de maneira descomplicada. Continue lendo e confira! [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] Saiba mais sobre as siglas do marketing digital Tire todas suas dúvidas sobre as principais siglas do marketing relacionadas com anúncio pago e saiba como calcular esses KPIs: CPC Essa sigla do marketing também é chamada pelo seu nome extenso, Custo por Clique, e é utilizada para analisar as campanhas de anúncios pagos. Assim como o CPM, também é uma das formas de cobrança dessa estratégia, em que o pagamento é feito pela quantidade de cliques recebidos. Ou seja, pelo número de pessoas que saem do site original do anúncio e vão para o seu. CPC = valor do anúncio / número de cliques CPM O CPM tem relação com a análise de anúncios pagos, como no Google Ads e Facebook Ads, por exemplo. Ele significa “Custo por Mil” e diz respeito ao valor pago para que certo anúncio apareça mil vezes para o público. Sua fórmula é muito simples: CPM = valor do anúncio / (número de exibições/1000) CPV Já o CPV significa o Custo por Visita. Ele mostra o valor gasto na estratégia para que ocorra uma visita, seja no seu site, no blog ou em outro canal. Esse também é um dos métodos utilizados pelo Google Ads para fazer cobrança, ou seja, você pode definir qual...

As novas necessidades do mercado demandam formas inovadoras para atendê-las. É aí que entram as metodologias ágeis para o B2B, que estão superando as expectativas do mercado e se tornando uma verdadeira tendência para esse segmento. O surgimento da internet e suas ferramentas causaram grandes mudanças no mercado, e, no setor B2B, essas mudanças foram sentidas com maior impacto, já que os vendedores estavam acostumados a entrar em contato apenas por telefone, buscando clientes em listas telefônicas ou recebendo indicações de parceiros. Percebe-se que essa busca era feita lentamente e não em tempo real, como estamos acostumados agora, em um país com mais de 134 milhões de usuários da internet. Sendo assim, a forma de procurar leads, vender e o comportamento de compra foram mudando nessas últimas décadas, exigindo que metodologias mais velozes e eficientes fossem criadas para acompanhar as mudanças. Confira neste artigo o que elas são e como aplicá-las no B2B. [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] O que são metodologias ágeis? Difundidas em meados dos anos 2000, essas metodologias foram criadas como uma maneira de substituir as antigas formas de desenvolvimento de softwares, que apresentavam menores chances de sucesso, pois só funcionavam 100% em casos estáveis e com evolução previsível, o que não é possível em todas as situações. Além disso, essas antigas metodologias eram mais lentas, necessitavam de muitos processos e documentações longas, tornando-se obsoletas, se comparadas aos tipos de tecnologia existentes hoje. Nesse contexto, nasceram as metodologias ágeis, também chamadas de venda agile, e têm como principais características o foco em interações com as pessoas, em vez de apenas processos e ferramentas, e produtos testáveis ao invés de documentos robustos. Outras...

Aumentar a quantidade de clientes, assim como fechar mais negócios é o desejo de qualquer CEO. Mas, para isso, é necessário ter uma estratégia bem desenhada e poder escalar seu serviço. É aí que entra a máquina de vendas, um conjunto de estratégias que atende exatamente essas necessidades. Muito conhecida, essa expressão foi criada por Aaron Ross, que associa o sistema de vendas da organização a uma máquina industrial, que gera resultados escaláveis e previsíveis. No entanto, para que uma máquina funcione dessa forma, precisa ser produzida e implementada no chão fabril, receber ajustes e então trabalhar. É a mesma coisa com uma empresa que quer vender como um equipamento. Além disso, supervisão constante, mensuração, dentre outras responsabilidades estão envolvidas no processo, sendo essencial ter conhecimento de todo seu funcionamento e instalação. Quer implementar a máquina de vendas em seus negócios B2B? Veja o passo a passo para construir a sua e obter resultados interessantes. Continue a leitura. [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] Como construir uma máquina de vendas para negócios B2B? Para obter sucesso com esse sistema, é preciso implementá-lo seguindo estes passos. Escolha o método de prospecção É comum que muitas empresas não tenham um processo de vendas estruturado, de modo que esses funcionários atuam de maneira própria e sem nenhum tipo de padrão entre eles. Já com um método definido, é possível ver estratégias tanto de venda ativa como passiva, assim como descontos exagerados, propostas paradas, clientes com experiências totalmente diferentes, dentre outros problemas que embaraçam as negociações. Para otimizar o seu processo, escolha um método de prospecção e treine seu grupo de trabalho para fazê-lo. Uma boa dica é conversar com a equipe...

As empresas do segmento B2B seguem buscando maneiras para se destacar no mercado e se tornar uma referência na área. Entre as diversas opções, encontra-se o investimento em estratégias nos canais digitais para divulgar e criar reputação para a marca. Para auxiliar você a dar o primeiro passo e investir corretamente em marketing digital, listamos quais são as estratégias mais indicadas e como começar. Continue lendo e confira! [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] Quais são as melhores estratégias de marketing digital para o segmento B2B? Confira quais são as estratégias de marketing digital que nós recomendamos para o segmento B2B: Site Ter um site é essencial para todos que desejam começar o seu posicionamento digital, inclusive para o segmento B2B. Nesse canal deve haver a centralização de todas as informações que possam ser relevantes para os clientes, como a atuação da empresa, produtos ou serviços e os meios de contato. Também é uma boa ideia trazer depoimentos de clientes satisfeitos para mostrar que a sua marca tem reputação no mercado. Com o site é interessante investir na criação de conteúdo relevante por meio de blog posts. Se sua empresa é uma fábrica de plástico, por exemplo, pode escrever sobre a importância de utilizar bons materiais, como é feita a produção e dar dicas para evitar desperdícios na manufatura. O importante é criar conteúdos que sejam relevantes e interessantes para o seu público e cubram todas as etapas do funil, ou seja, não fiquem falando o tempo inteiro sobre a sua empresa ou solução. SEO Essa estratégia é complementar a primeira e deve estar inserida na criação do seu site e do blog. SEO é uma sigla para Search Engine Optimization,...

O funil de vendas em Y é muito utilizado no mercado B2B para otimizar os processos e alcançar mais resultados. Essa estratégia consegue melhorar todas as etapas do funil, principalmente a atração que tende a ser um grande desafio para as empresas. Segundo o B2B Technology Marketing Community, empresa especializada nesse segmento, 61% dos profissionais de marketing afirmam que a geração de leads qualificados é o maior desafio que precisam enfrentar atualmente. Dessa forma, o funil de vendas em Y torna-se uma ótima maneira de enfrentar esse problema. Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre essa estratégia. [vc_row content_aligment="center" css=".vc_custom_1607775549925{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column css=".vc_custom_1607775564927{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"][vc_column_text css=".vc_custom_1607775580004{padding-top: -25px !important;padding-bottom: -25px !important;}"] new RDStationForms('formulario-cta-blog-f0ec08852c27aa624cec', 'UA-46401124-1').createForm();[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row] O que é funil de vendas em Y? Para entender o que é o funil de vendas em Y, deve-se compreender dois termos que estão diretamente ligados com ele: o outbound e o inbound. O outbound é uma estratégia visa efetuar vendas por meio de um planejamento, estruturação e prospecção ativa. Os exemplos mais comuns de outbound tradicional são: panfletos, telefonemas, propagandas na TV e rádio, pop-ups, alguns tipos de anúncio online. Porém um dos recursos mais explorados atualmente do outbound é a prospecção e nutrição automatizada de leads através de plataformas especializadas, otimizando o tempo e investimento da área comercial de uma empresa. Já o inbound marketing é uma estratégia que busca fazer o cliente ir até a empresa, através do interesse por informações relevantes e que são compartilhadas. Isso é feito por meio de conteúdos estratégicos que façam com que o possível cliente conheça sua marca, seja por meio de blogs, palestras, webinars, redes sociais e vídeos, por exemplo. Nesses casos, a marca trabalha de forma mais generalizada a sua área...